Balance

"there is no thing that is not counterbalanced by another (...) There is a river whose waters give immortality; somewhere there must be another river whose waters take it away."

Jorge Luis Borges, in The Immortal, from the book "The Aleph".

Two different ways

“It's like when my doctor told me the story of these two brothers whose dad was a bad alcoholic. One brother grew up to be a successful carpenter and never drank. The other brother ended up being a drinker as bad as his dad was. When they asked the first brother why he didn't drink, he said that after he saw what it did to his father, he could never bring himself to even try it. When they asked the other brother, he said that he guessed he learned how to drink on his father's knee. So, I guess we are who we are for a lot of reasons. And maybe we'll never know most of them. But even if we don't have the power to choose where we come from, we can still choose where we go from there. We can still do things. And we can try to feel okay about them.” 

Stephen Chbosky, in The perks of being a wallflower.

You are wrong

life only starts to make sense when you realize that sometimes - often - all the time - two completely contradictory ideas can be true. Everything that led up to you was wrong. Therefore, you should not have been born. But everything about you is right: you had to be born. You were inevitable.

 Jonathan Coe, The rain before it falls.

Silêncio

As andorinhas penduram-se nos cabos, perto da lua.
Os aviões mergulham nas nuvens e desenham rastos.
Os gatos deitam-se nas sombras de casas vazias.
Os bichos da madeira trincam a lenha.
O sol enche o chão de lava.
As aranhas percorrem as teias carregadas de moscas.
As formigas transportam as migalhas.
As fitas da entrada adormecem no colo do vento.

Uma simples soma de todos os silêncios. Pode a vida ser assim.

Alcafozes, 2019

O campo

no campo, entre a inconsciência e a impassibilidade da Natureza, ele tremia com o terror da sua fragilidade e da sua solidão. Estava aí como perdido num mundo que lhe não fosse fraternal; nenhum silvado encolheria os espinhos para que ele passasse; se gemesse com fome nenhuma árvore, por mais carregada, lhe estenderia o seu fruto na ponta compassiva de um ramo. Depois, em meio da Natureza, ele assistia à súbita e humilhante inutilização de todas as suas faculdades superiores. De que servia, entre plantas e bichos — ser um Génio ou ser um Santo? As searas não compreendem as Geórgicas; e fora necessário o socorro ansioso de Deus, e a inversão de todas as leis naturais, e um violento milagre para que o lobo de Agubio não devorasse S.Francisco de Assis, que lhe sorria e lhe estendia os braços e lhe chamava «meu irmão lobo»! Toda a intelectualidade, nos campos, se esteriliza, e só resta a bestialidade!

Eça de Queirós, em A Cidade e as Serras

A beleza da imperfeição

O conjunto dos meus sintomas consiste na atracção que sinto por tudo o que está estragado e rachado, e por tudo o que é imperfeito e defeituoso. Tenho particular interesse por formas imperfeitas, erros na criação, becos sem saída. Por tudo aquilo que deveria desenvolver-se e que, por qualquer motivo, ficou atrofiado ou, pelo contrário, excedeu as medidas previstas. Por tudo o que escapa à norma, que é demasiado pequeno ou demasiado grande, exuberante ou incompleto, monstruoso e repugnante. Formas que não obedecem à simetria, que se multiplicam, que rebentam pelas costuras, que desabrocham por todos os lados ou que, pelo contrário, reduzem a diversidade à uniformidade. Não tenho qualquer interesse por acontecimentos que se repetem, aqueles que são atentamente tratados pela Estatística e que todos celebram com um sorriso feliz e familiar no rosto.

Olga Tokarczuk, em Viagens.

Musicofilia #4



I don't know what to want from this world 
I really don't know what to want from this world